24 abr, 2019

DESISTI DE THE ORDER

Depois de ter maratonado três séries originais da netflix e curtido bastante, me lancei no escuro com The Order. Entendi vários nadas da sinopse e apertei o play. Eu sinto muito amantes de The Order, me arrastei no primeiro episódio e a bola de neve só aumentou.

Jack Morton está no primeiro ano da faculdade quando se junta a uma sociedade secreta chamada The Order. Lá ele descobre um mundo de mágica, monstros e intriga. Em meio a obscuros segredos de família e uma batalha subterranea entre lobisomens e artes mágicas ocultas, ele se encontra cada vez mais envolvido em uma aterrorizante e mágica jornada para descobrir o seu próprio eu.

Eis aqui um resumo do episódio piloto aos meus olhos:

A princípio temos o nosso personagem principal recebendo a carta de aprovação na Universidade. Ele não foi aceito, ok. Mas de repente a carta muda, enquanto ele segura a carta na mão, as letras trocam de lugar, palavras somem, palavras aparecem e, bang, agora ele foi aceito. Em vez de “nossa que estranho” e sair correndo, o nosso personagem (que bem depois descobri que o nome dele era Jack) ignora qualquer coisa e comemora a aprovação. Tudo bem, calouro comemora até injeção na testa, a gente ignora esse acontecimento.

Aí vamos pro próximo, para entrar na sociedade secreta Jack precisa achar uma moeda, até aí válido, mas os outros competidores são mesquinhos e filhos de grandes nomes. Jack e seu amigo ficam uma cena inteira com risos forçados pensando todos os possíveis nomes para acompanhar “bobalhões” – ou seja lá qual for a tradução no português. Isso porque esse personagem tem uso excessivo de palavrões em qualquer lugar com um tom de brincadeira, se aproximando mais de uma série da Disney apropriada para menores do que feita pela netflix. Um errinho a gente aceita, vai.

Jack acredita que uma garota que conheceu na faculdade participa da sociedade secreta e a todo momento faz perguntas para ela, das quais ela obviamente não responde e atira várias e várias vezes “não faço parte, nem existe, você tá falando abobrinha”. Jack, qual parte de secreto ainda não entendeu? Nisso, duas pessoas da universidade já morreram e literalmente ninguém liga. Um detetive aparece uma vez ou outra interrogar Jack, mas é isso. Nada de reportagens na televisão, pôsters pelo colégio ou alunos eufóricos com medo de morrer. Nada. Morreu, né. Que pena.

Os outros nomes do elenco soam estar lendo um roteiro, o que me dá razões para acreditar em uma série de baixo-orçamento – isso é provado pelos efeitos especiais no final do episódio. No mais, senti que era uma série de restos, ideias que sobraram de outras séries e que misturadas deram The Order.

Não deu, abandonei com vontade.

Talvez se eu tivesse visto a série esperando algo parecido com besteirol ou uma sitcom mais longa – bem mais -, eu poderia ter gostado um pouco mais. O que mais impactou foi ver a minha ilusão de série dramática/terror se desfazer na minha frente.

E você, o que achou?

veja os posts relacionados

Deixe seu comentário