18 fev, 2019

CRÔNICA: PLANETÁRIO

Estamos nos alinhando. Como dois planetas à beira da colisão. Devagarinho, como o céu estrelado que se mexe com movimentos invisíveis, diariamente eu me vejo mais perto de você. Dois mundos inteiros prestes a se misturar. E um dia o que brilha em mim será estrela em você. E o que ilumina em você será estrela em mim. É mesmo uma intimidade graciosa oferecer o que existe de melhor em mim a você e receber o mais precioso de você. Você mesmo.

Como uma galáxia iluminada, eu sinto explosões solares todas as vezes que sua mão toca meu rosto enquanto meu coração atinge um milhão de graus quando uma mecha teimosa de cabelo vai para trás da orelha. Somos essa nebulosa colorida, roxa, azulada, rosa e âmbar. E só estamos lá, nos sendo. Já parou para pensar que calmaria é o céu? Não existe barulho, senão cometas zunindo e meteoros passeando pelo mar de escuridão. Tudo reluz enquanto buracos negros silenciosos engolem universos inteiros para Deus sabe lá onde.

Assim, é aqui: paz. Somos nós. Na cadência das nossas estrelas, rumo ao futuro, que como o avesso dos buracos negros: desconhecemos. Mesmo assim, mergulhamos nele como os sistemas solares atravessam o vazio, no caminho à maior descoberta de cada uma de nossas vidas: o amanhã. O amanhã é uma expectativa feita de pó de sonho. Desconhecida. Não está do outro lado do telescópio, o amanhã… O amanhã não é pra saber. Por isso, na nossa própria via Láctea, o tempo passa tão rápido que a única pressa é o dia seguinte, o encontro seguinte.

Aqui, o amanhã é pressa de companhia também. É rasgar o céu pra entrar no seu mundo, pra ser o seu mundo. Um segredo? Astronave nenhuma saberia estudar a constelação que rebrilha nos seus olhos e espelha nos meus. Mistério daqueles dos lugares que o Hubble ainda não descobriu. Eu tenho certeza que seus olhos são de lá. Desse lugar desconhecido, distante e inalcançável. Dia após dia, estamos nos alinhando. Dia após dia, tudo faz sentido, teu encaixe comigo é quase matemático. É como se, como resto do cosmo, você tivesse sido calculado sob medida para me saber. Para me desbravar, de corpo livre no infinito. É como se feito o firmamento pra Terra, você já estivesse aqui pra mim há tanto tempo.

Tags: ,

veja os posts relacionados

Deixe seu comentário